chocolate

Vamos falar de chá e chocolate?

Tô sabendo que a Páscoa é só em abril, gente! Mas, e lá tem data para falar de chocolate? Not! Ainda mais se combinarmos essa maravilha divina como tudo  com chá! ♥ Êta trem bão!

Quem, me diz queeeeeeeem aqui, resiste a um bom chocolatinho… hein, hein? Brigadeiro, chocolate 70% cacau e blá, blá, blá. Gente, cho-co-la-te! ♥

E daí a gente te conta: chocolate super combina com chá. Aham. Simples, assim! Não?
Vamos complicar um pouquinho só pra ter o que escrever no blog :p

Partimos de uma premissa: pesquisa, experiência e conclusão, ok? De acordo com a Yuri da Escola de Chá Embahú, temos as seguintes opções de harmonização:
a) Chá e chocolate que tenham sabores complementares
b) Chá e chocolate que tenham sabores similares
c) Chá e chocolate que tenham sabores totalmente opostos

Com isso, oremos e não engordemos […]!

chocolate
Gayatri & Brigadeiro com Morangos. ♥

O Chá é uma bebida leve, que pode ter a presença do floral e do tanino, casando muito bem com as notas – por vezes fechadas, do chocolate. Como exemplo: o que casa melhor do que um chá preto {GAYATRI #ficadica} acompanhado de um bom bolo de chocolate… se esse vier com morangos, então, socorro! Chá preto sem açúcar, sim! 🙂 Afinal de contas, temos aí mesmo, o equilíbrio, a soma das notas e a explosão de sabores. ♥  Aqui são sabores que se complementam.

Mais uma, para os fãs de chocolate branco, agora! {hum, salivei haha} Chá verde Amaya com um bom chocolate branco ou ao leite… gente! Por favor, experimentem!

Sabores similares, vamos lá: Que tal um bolo de frutas e chocolate com um Blend TéAmo que leva pêra em sua composição? 🙂  Trufas e mais trufas, bombons e mais bombons, bolos, tortas, barras… Dê asas! E, já que estamos em Blumenau e adoramos um doce com salgado, vamos aos sabores totalmente opostos! Embarca no Pu’er que tem no Blend Hippie Chai, e aproveita um chocolate Amma ♥ Cacau, puro.

Nunca havia imaginado tudo isso? A gente já, e de tanto imaginar, já provou e aprovou. 😀
E o melhor: o chá é digestivo e auxilia nas gordurinhas extras ingeridas com o chocolatinocenty (:

A regra é de ouro: um chá de qualidade + um chocolate de qualidade = satisfação garantida ou seu sorriso de volta.

Um beijo, chocólatras e tealovers.
Bom chá, Renata!
{post originalmente publicado por Renata Acácia para o Blog Gastrossexual.com.br}

Compartilhe
FacebookGoogle+TwitterEmailGoogle GmailPinterestLinkedIn

O que você gostaria de saber sobre benefícios do chá: Catequinas!

Mah oe!!! Nós pedimos laáá no Facebook da Infusorina o que vocês gostariam de ler aqui no blog, vocês responderam e cá estamos! Inaugurando uma série de posts inspirados nos comentários. OBRIGADA! ♥ Nada como falar com quem quer ouvir e transmitir o que queremos receber, né?

Vamos lá:
Que o chá é uma bebida amplamente consumida, ♥ você já sabe! Mas será que sabe tudo, tudinho sobre o chá?

catequina
Matcha, fonte de catequina, na cerimônia Japonesa Chanoyu por Erika Kobayashi – imagem arquivo pessoal.

Não? Não se preocupe, a gente também não! 😀 Mas, o pouco que sabemos, vamos compartilhar com você nessa série linda sobre os benefícios do chá! Começando pela queridinha catequina (S).

Primeiro precisamos entender o que são!
A catequina é um fitonutriente de subclasse dos polifenóis (flavonóides). Inúmeros estudos demonstram que as mesmas estão presentes no metabolismo da Camellia sinensis – a planta do chá,  atuando como fonte de defesa da planta. Em resumo: as catequinas são fonte de saúde para a plantinha do chá e, de quebra, é uma das chaves de saúde para nós, que temos a honra de sorver uma xícara dessa bebida milenar e cheia de amor para dar.

Mas, não é só isso. Para que possamos compreender melhor, podemos ver abaixo o grupo de catequinas presentes na Camellia sinensis:


catequina
Imagem da internet.

Com isso, logo vem a pergunta: Catequinas, o que fazem, para que servem, como vivem em mim?

As mesmas estão presentes em até 8% nas folhas secas do chá, que varia muito dependendo do método de cultivo que essas plantas receberam. Mas como regra geral, a catequina está presente em maior parte no chá verde, ao contrário do que muitos pensam (a exemplo do chá preto), pois o chá preto passa em seu processo por um alto nível de oxidação, enquanto o chá verde, não, ou seja, as catequinas permanecem intactas em suas folhas. Sendo assim, as catequinas se concentram aproximadamente da seguinte forma: são 30% dos polifenóis de um chá verde e 11% dos polifenóis de um chá preto (xíc.).

Sua participação em uma xícara não necessariamente será despontada através da temperatura da água, e sim, pela qualidade (cultivar, conservação) do chá consumido. Mas, de qualquer forma, o chá verde lidera a fonte de catequina. ♥

Pois bem, aqui está: além de proteger a planta, elas são as maiores responsáveis pelo poder anticâncer do chá, que ajuda a previnir doenças cardiovasculares (junto com os taninos – falaremos em outro post), a pasmem: colaboram no retardamento do envelhecimento. São substâncias 100% mais eficazes que a vitamina C e 25% mais eficazes que a vitamina E.

Renata, qual blend da Infusorina tem maior concentração de catequina? Unânime: Amaranto.
E de nossas marcas representadas? Unânime: chá verde Amaya. ♥ 🙂
catequina
Coloque a catequina na sua vida e seja feliz! \o/

Um beijo com chá, Renata.

Fontes: http://pt.wikipedia.org/wiki/Catequina | Tea History, Terroirs and Varieties book.

 

Compartilhe
FacebookGoogle+TwitterEmailGoogle GmailPinterestLinkedIn

Chá Preto, Assam, História e Mistura.

Hoje me peguei pensando… “sobre o que escrevo no blog? Ai, ai essa tal de inspiração, devo mesmo ter uma alma artista.” 😀

Tá, só que não: é realmente MUITO assunto para escolher um só! Levantei da cadeira e fui preparar um chá, né? Vai que vem! Dois golinhos do Gayatri, três… até que realizei que até então não havia falado dos nossos chás!

Assim, especificamente, de cada um deles. E, eu poderia escolher na escala… começando com a base de chá branco e finalizando com o pu’er, mas not, vamos começar com aquele que fora responsável por ajudar a mente pensante, aqui: O GAYATRI. ♥ Indo sentido contrário da ordem, o Gayatri foi o último blend criado por mim.  E como não poderia ser diferente dos demais, ele vem com significado, pelo menos pra mim, onde eu fico imensamente feliz que ele encontre significados diferentes para cada um que permite que ele entre em seus mundos {gratidão}. Vamos lá?

falamos-sobre-gayatri

Para começo de história; – Renata, que palavra é essa? De onde você tirou isso? O gayatri é um dos mantras mais entoados na Índia… e eu queria muito um blend com base de chá preto Assam (província localizada na Índia) e coincidência ou não, eu passei semanas na criação com o mantra tocando ao fundo, me fazendo cia… (para quem quiser escutar, tem o link AQUI) Inspirando e tocando fundo o coração. Sua tradução é linda, pede luz para Deus, e que Ele possa inspirar nossa mente… 🙂 no fim e começo de tudo, vem o nome. As vezes o nome vem antes, e aí o trabalho é ao contrário, mas nesse caso, veio depois, porque a única certeza no meu íntimo, era do chá preto. Demorou alguns minutos até que eu finalmente compreendesse: o blend se chamaria gayatri. 

E a relação vai muito mais além disso. Como mencionei acima, coincidência ou não, esse mantra é indiano, e a base da nossa mistura, também.

india

Quando eu falo em base, eu falo em uma quantidade superior aos demais ingredientes. No caso: base de chá preto do tipo Assam, com anis estrelado, cranberry, pimenta Jamaica e um toque especial ♥ significa que o blend possui em sua totalidade, maior quantidade de chá preto do que dos demais ingredientes. 🙂 Não que seja regra, mas é um padrão que estabelecemos para a marca.

  • Tá, Renata. Agora conta, o que tem assim, de tão especial no Chá Preto de Assam?

Primeiramente: tudo: #tudibaum que a Camellia sinensis pode prover: antioxidantes, catequinas, vitaminas e etc. Hoje colocaremos nosso foco na cafeína e nas catequinas presentes no chá preto, especificamente do tipo Assam, mas não antes sem saber um pouco mais da origem desse chá considerado tão especial.

–> A região de Assam fica a aproximadamente 200km de distância da região de Darjeeling  (quem aqui também ama? ♥)  muito próximo de Burma, em Myanmar e Bangladesh! E é lá onde fora descoberta a Camellia sinensis var. assamica, a planta do chá tradicionalmente de folhas grandes que se transforma em uma bebida de liquor cheia de personalidade.  Lá, o chá cresce em uma região tropical fértil, protegida por uma vasta selva, através da qual flui lindamente o rio Brahmaputra.
Suas folhas são conhecidas por serem apreciadas pelo gosto britânico, pois são picantes, adstringentes, perfeitas para a mistura com leite. Deu água na boca, né?

Além de gostoso, o chá preto traz consigo todas as propriedades que falamos. Lembrando que cada chá possui um processo distinto, o que faz com que cada um seja diferente do outro, resultando em sabores, cores, aromas e sensações novas. Vamos falar um pouco das propriedades dele?

Vamos! Então, ATENÇÃO:  algo muito importante sobre ele: o CHÁ PRETO É 100 % OXIDADO.

Vamos entender a diferença entre oxidação e fermentação:

Segundo a Escola de Chá EmbahúOxidação é um processo químico, que ocorre perda de elétrons com ou sem a presença de ar. Nos chás, a oxidação enzimática faz seus componentes reagirem na superfície das folhas, escurecendo-as e desenvolvendo sabor (sabem quando a gente corta a maçã e deixa ela esquecidinha e fica escura? Então.). Já a Fermentação é  a decomposição química de uma substancia por bactérias, leveduras ou outros microrganismos, que não necessitam a presença de ar. Nos chás escuros (aí SIM, fermentados como o Pu’er), é vital que ocorra a fermentação para o desenvolvimento do sabor. ♥

Uma vez que muitas literaturas estrangeiras, sejam antigas ou não, tratam o chá preto como fermentado, basta saber que quando se fala em fermentação do mesmo, se fala na verdade da oxidação, por isso, tratamos de esclarecer isso para que não fique duvida: chá preto não é fermentado.

🙂

dsc06762aAhh, agora sim: mergulharemos primeiramente em águas rasas das catequinas e cafeína que o chá preto de Assam possui {prometo um post SÓ sobre chás pretos} .

Catequinas!

Nosso xodó presente nas folhas da Camellia sinensis
Os poderes de proteção e anti-câncer do chá provém da subclasse de polifenóis chamado catequinas. Elas são antioxidantes que vem do metabolismo da planta do chá e são responsáveis por grande parte da defesa da mesma. As principais catequinas encontradas no chá são C, EC, EGC, EGCC, que representam de 2% ~ 8% da “massa” das folhas de chá depois de secas.
Já, falando na xícara final, com o chá infusionado, a biodisponibilidade das catequinas dependerá de diversos fatores do processamento que aquelas folhas foram expostas como: método de cultivo e etc. Em regra geral os chás pretos possuem menos catequinas que os chás verdes, pois os verdes não passam pelo processo de oxidação total, o que mantem as moléculas sem alteração.

Cafeína!

Levando isso em consideração, ainda sim encontramos nas folhas de Assam (considerando 250ml):

Catequina EGCG: 2%
Catequina C: 1%
Catequina EC: 1%
Catequina ECG: 2%
(Mais além falaremos do Sencha, nossa base de chá verde do blend Amaranto, e a diferença será surpreendente, apenas para dar um gostinho, o mesmo possui Catequina EGCG : 18%!!!). 🙂
Coisa linda, né não? ♥

O assunto terminaria aqui, se não fosse a vontade de falar especificamente da cafeína presente nesse chá, que muitos consideram substituto do café. – eu adoro café, e considero duas bebidas com um resultado completamente diferente uma da outra – , mas vale lembrar que a planta do chá possui a L-theanina, que junto da Cafeína, promove um equilíbrio na bebida, transformando o chá, diferente do café, em uma bebida estimulante ao invés de excitante.

Vamos ver qual a presença de cafeína em uma xícara de chá preto? Abaixo cito os meus 3 favoritos:
– Darjeeling first flush: 58mg
– Assam: 22mg
– Yunnan hong gong fu: 19mg
(considerando infusão em 500ml de água a 95ºC por 3min)

* Lembrando que embora seja generalizado, não é padrão: a presença de cafeína no chá, varia MUITO dependendo da origem, variedade, clima, tempo de infusão, método de infusão e etc.

Por isso e por vários outros fatores, o chá preto, assim com outros, comportam-se de maneira muito diferente entre um apreciador e outro. Nosso organismo reage de maneiras variadas.
Em resumo: enquanto o chá preto para mim é perfeito para degustar a noite, na cama lendo um livro, este pode não ser o resumo de uma noite bem dormida para você, onde precise de repente, eliminar toda e qualquer cafeína da sua xícara ou da sua barra de chocolate. Em compensação, há pessoas que consomem café preto, filtrado, no lugar do meu chá preto, o que em mim resultaria em uma noite dificilmente dormida.

🙂

O chá é momento. É prazer, é bem cuidar. É oferecer colo, ombro, sorriso, apoio. É, se preciso for, calar a mente e sentar em uma almofada bem confortável e escutar um mantra enquanto agradece a dádiva de se estar vivo.

♥♥♥♥♥
Renata Acácia.

Fontes:
Escola de Chá Embahú (material do curso Essencial de Chás);
Tea – History, Terroirs, Varieties | 2nd edition.

 

 

Compartilhe
FacebookGoogle+TwitterEmailGoogle GmailPinterestLinkedIn